quarta-feira, 29 de maio de 2013

JUSTIÇA


 
"PEDIMOS JUSTIÇA OU VINGANÇA?"
"QUEM PEDE JUSTIÇA PARA SI É JUSTO COM O PRÓXIMO?"

JOSÉ RAUL TEIXEIRA: "(...)Muitas coisas que o juiz encarnado, que o juiz humano não consegue captar, não consegue ver, só o olhar da Divindade pode ver.
Jamais um juiz humano entenderá, de fato, as reais motivações que levaram ou que levam uma criatura cometer um crime, um desatino.
Todas as respostas que temos, nesse sentido, são as respostas exteriores, aquilo que a gente pode ver.
Foi a pobreza, foi a fome, foi o desemprego, foi o desespero. Mas as razões profundas, a bagagem que esse Espírito traz, as marcas que essa alma carrega em si, nenhum juiz humano consegue ver. Só o Pai da vida, somente o Senhor Supremo pode saber.
Então, muitas vezes, quando as criaturas clamam por justiça, estão clamando por vingança, porque toda justiça que age fora das bases do amor se torna crueldade. A justiça sem amor é vingança social.
Daí, a nossa necessidade de entendermos bem o que vem a ser justiça.
Todas essas pessoas que clamam por justiça contra os outros exercem a injustiça.
Fazem greves por melhores salários para si, por exemplo, mas não melhoram o salário dos seus empregados. São pessoas injustas.
Reclamam que a cidade está desorganizada, mas atiram papéis, lixo da janela do carro, dos ônibus, na via pública, para onerar a cidade e impor que alguém vá limpar a sua sujidade.
Estacionam seu carro sobre calçadas por onde as pessoas deveriam passar e essas pessoas têm que disputar a rua com os outros carros que passam.
Elas querem justiça contra os outros, mas não vivenciam o princípio básico da justiça: Fazer ao outro o que o outro merece. Dar às pessoas aquilo que as pessoas merecem.
Desejamos considerações da justiça para conosco; queremos os direitos, mas não exercitamos a prática da justiça, quando se trata de beneficiar os outros.
Quantas vezes colocamos, nas nossas festas, no apartamento, nas casas, a nossa música no maior volume, com todos os decibéis, não nos importando se há crianças recém-nascidas, se há idosos cansados, doentes ou, simplesmente, se as pessoas não querem ouvir o nosso barulho.
Nosso critério de direito está muito equivocado.
Nosso critério de democracia é equivocadíssimo porque temos um conceito de democracia que só serve para nós, que é contra os outros, quando a democracia propõe o direito de todos, a justiça para todos.
Se não respeito a minha vizinhança quando desejo dar a minha festa, estou tratando com a injustiça social. Como é que eu cobro das autoridades justiça para mim?
É com isto que nós começamos a pensar como têm sido equivocadas as nossas posturas diante da vida, no capítulo que se refere à justiça.
Vale a pena pensar que, quando o Cristo propôs que nós não julgássemos porque, com a mesma medida com que julgássemos seríamos julgados, ficamos pensando na responsabilidade do magistrado, daquele que tem o dever profissional de julgar, de sentenciar.
Se ele não tiver luz por dentro, se ele não tiver lucidez na alma, amor no coração, ele será um verdugo da sociedade porque estará punindo as pessoas em nome do seu sentimento de mágoa, de revolta ou de sua displicência.
Não é por outra razão que o Evangelho do Reino nos diz que quem com ferro fere, com ferro será ferido, representando a lei de Talião, o dente por dente, olho por olho.
Só em Cristo encontramos a proposta do amor. E, quando amamos, até a nossa avaliação e o nosso juízo, são macios
."
 
 
 
 
 

 

terça-feira, 28 de maio de 2013

MODERNIDADE X MODISMO

No tempo de Kardec havia uma divergência para o estudo da doutrina. Uns cuidavam das manifestações inteligentes, e outros se detinham no estudo das manifestações físicas.
 
Kardec advertiu dizendo: Os grupos que se ocupam exclusivamente com as manifestações inteligentes e os que se entregam ao estudo das manifestações físicas têm cada um a sua missão. Nem uns, nem outros se achariam possuídos do verdadeiro espírito do Espiritismo, desde que não se olhassem com bons olhos; e aquele que atirasse pedras em outro provaria, por esse simples fato, a má influência que o domina. (OLM, p. 519).
 
Vejamos que, a divergência era para o bem da doutrina. Eram estudos sérios que correspondiam ao Espiritismo. Kardec apenas pediu que cada qual estudasse o que mais os agradava e que, cada grupo não interferisse no estudo do outro. Mas, hoje, a divergência é por não querer estudar. As imposições são em torno da falta de estudo e entendimento da doutrina. Encontramos pessoas que ainda não entenderam que “o dono da casa espírita” é o “Espiritismo”. Portanto, o que deve prevalecer na condução dos trabalhos da casa não é a vontade dos dirigentes, mas dos ensinamentos dos espíritos. O objetivo do Espiritismo não é lotar casa espírita com pessoas que só buscam curas e outros fenômenos. Isto outras religiões já fazem. Encontramos seguidores viciados em pedir favores e milagres do Alto, esquecendo do ensinamento essencial que é a busca da reforma íntima. Por isso, vemos pessoas com crucifixo no peito ou Bíblia na mão enganando pessoas, maltratando pessoas, animais, etc. O objetivo do Espiritismo é maior que atrair pessoas para a casa espírita. É o de ajudar as pessoas a entender seu sofrimento, como preveni-lo, enfim, explicar o objetivo da nossa encarnação. Então, podemos “modernizar” os trabalhos da casa espírita sem implantar “modismos” que fujam desses ensinamentos dos espíritos. 
 

Texto de Rudymara
 
 
 
 

domingo, 26 de maio de 2013

COMO É E ONDE FICA O MUNDO ESPIRITUAL DE POVOS E CONTINENTES DIFERENTES?


Muitos acham que o mundo espiritual é uma nuvem, uma fumaça ou coisa parecida. Outros acreditam, que só tem o Nosso Lar. Mas, André Luiz retrata um mundo espiritual palpável e lógico. Todos os dias desencarnam milhões de espíritos. Cada caravana tem seu costume, cultura, linguagem, etc. Uns são japoneses, outros chineses, africanos, etc. O mundo espiritual fica próximo da Crosta da Terra e é semelhante ao ambiente da qual os desencarnados estavam acostumados. Exemplo: A cidade espiritual que está pertinho de Belo Horizonte é quase uma Belo Horizonte. A cidade espiritual que fica próximo de Hong Kong é quase uma Hong Kong, não podia ser diferente. Imaginemos se um índio do Xingu desencarnar e for levado para uma biblioteca que só tem livros em francês. Ele se sentirá inadaptado, constrangido e até humilhado. Então, o mundo espiritual que André Luiz relata é condizente a sabedoria e amor de Deus. Se uma professora da Terra distribui os alunos de forma que possa ajudá-los, imaginemos Deus.
Haroldo Dutra

sábado, 25 de maio de 2013

QUE TIPO DE ESPÍRITO ENCARNA EM NOSSO PLANETA?


 
 
Muitos tipos. Mas, a maioria são espíritos que estão buscando se desvencilhar da animalidade. Nós somos espíritos em busca da humanidade. Não somos humanos completos. Basta examinar o índice de criminalidade nas grandes metrópoles; o comportamento das pessoas no trânsito; na intimidade do lar; o comportamento dos políticos; etc.
Não fossem as leis criminais, nós estaríamos nos atacando como legítimos animais na via pública. Basta um momento de invigilância para que qualquer um de nós assuma um comportamento animalesco. Um comportamento que leva uma mulher a matar o marido e cortar aos pedaços; um homem público a roubar o dinheiro da merenda escolar, etc.
 
 

Haroldo Dutra
 
 
 
 

sexta-feira, 24 de maio de 2013

DESIGUALDADE DAS RIQUEZAS


 
 
Muitos querem buscar uma solução ao problema da desigualdade das riquezas. Mas é inútil tal procura, quando só se acredita na vida atual.
Os homens não são igualmente ricos, porque “não são igualmente inteligentes, ativos e laboriosos (trabalhadores) para adquirir, nem sóbrios (moderados) e previdentes (cuidadoso) para conservar.”
 
• Não são igualmente inteligente: primeiramente porque estamos cada qual em grau evolutivo diferente do outro. Uns adquiriram mais experiência e inteligência que outros, devido ao número maior de reencarnação. E porque muitos acham-se incapazes, não estudam, não buscam o conhecimento. Enquanto outros, estudam, buscam estar bem informado, etc. Ex: Há Centro Espírita que tem computadores para ensinar os filhos dos assistidos, o professor voluntário, muitas vezes fica sozinho na sala, porque os alunos não comparecem. Professores, dizem que os alunos não estudam porque sabem que no final do ano passará de ano. Tem aluno saindo do ginásio sem saber ler e escrever. Mas, um dia, quando for arrumar um emprego, dirá que não teve sorte ou oportunidade na vida. O que não é verdade. A escola está lá, o professor também, mas ninguém aproveita a oportunidade, depois coloca a culpa na sorte, na sociedade, no Governo, em Deus, etc.;
 
• não são ativos e laboriosos (trabalhadores): muitas pessoas que tem condição financeira pequena, já se sentem derrotadas, incapaz, antes mesmo de tentar. Muitos não buscam cursos gratuitos que reforce seu curriculum; quando estão trabalhando não se esforçam para aprender mais, acomodam-se no que faz; não trabalha com vontade, ajudando o companheiro, a empresa crescer; falta demais; reclama o tempo todo do serviço, do patrão dos companheiros, etc. Muitos que recebem ajuda de órgãos governamentais, religiosos ou familiar, se acomodam, e assim, não buscam pescar. Enfim, são os que esperam que tudo caia do céu; que alguém bata à sua porta para oferecer um bom emprego; conforme o emprego nem vai porque acha que é muito pouco ou não está a sua altura. “Ajuda-te, que o céu te ajudará.”
 
• não são sóbrios (moderados) e previdentes (cuidadosos): muitos, quando estão empregados ganhando pouco, vivem uma vida com o orçamento apertado. Quando arrumam um emprego melhor, para ganhar mais, passam a gastar mais, sem pensar em guardar para o amanhã. Se tem um carro, compra outro; ou se tem um carro bom, quer um importado; compra roupas e sapatos que muitas vezes não chega a usar; etc. Muitos não se conformam em ganhar pouco, querem ter o que não podem comprar. Daí gastam além do que podem pagar. Entram em dívidas. E quando fica desempregado, desespera-se, vai vendendo tudo, até chegar ao ponto de pedir ajuda e achar que alguém fez alguma coisa para ele(a). Porque, é mais fácil colocar a culpa nos outros, do que ver que o erro está em nós mesmos.
 
 
 
(O Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. XVI, item 9)
 
 
 
 
 
 

quinta-feira, 23 de maio de 2013

DESENCARNAÇÃO DE DIMAS.....PERSONAGEM DO LIVRO "OBREIROS DA VIDA ETERNA" DE ANDRÉ LUIZ





A desencarnação não é igual para todos. Mas, este video mostra o cuidado, o amparo, o amor de Deus por nós.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

QUAL A PROVA MAIS DIFÍCIL: A RIQUEZA OU A POBREZA?

 
Ambas são difíceis.
Ante a miséria, podemos ficar: desanimados com as dificuldades; revoltados contra tudo e contra todos; invejosos de quem tem o que não temos; até tentando conseguir pelo roubo, pelo crime, o que precisamos ou queremos; reclamando contra Deus por não compreendermos seu divino programa para a nossa evolução.
 
Quanto à riqueza, constitui uma prova muito arriscada, bastante perigosa para o espírito, porque é supremo excitante do orgulho, do egoísmo e da vida sensual.
Geralmente, quem é rico neste mundo se torna orgulhoso, avarento, indiferente à necessidade ou sofrimento do próximo e se desvia moralmente nos abusos.
Sim, a riqueza é a origem de muitos males na Terra. Por causa dela, muitos prejudicaram sua felicidade na vida futura.
 
 
 
 


terça-feira, 21 de maio de 2013

DIVISÃO DAS RIQUEZAS


 
 
Que aconteceria se, acaso, se pudesse repartir toda a riqueza da Terra com igualdade entre todos os seus habitantes?

- A cada um caberia apenas uma parcela mínima e insuficiente.

- Não haveria recursos para nenhum dos grandes trabalhos que concorrem para o progresso e o bem-estar da humanidade. Ex.: A Ciência não teria recurso para pesquisas.

- Tendo o necessário para sobreviver, o homem não sentiria o aguilhão da necessidade para o impelir às descobertas e aos empreendimentos úteis, ele se acomodaria. Ex.: Alguém iria querer ser empregado de alguém? Alguém iria se esforçar para estudar, já que ganharia o mesmo que quem não estuda? Quem seria patrão e que seria o empregado?

Pensemos nisso!
 
 
  


segunda-feira, 20 de maio de 2013

A RIQUEZA IMPEDE A EVOLUÇÃO DO ESPÍRITO?



 
Se assim fosse, Deus não a teria posto nas mãos de alguns de seus filhos, pois seria prejudicá-los.
Querer abolir a riqueza, para não errarmos com ela, seria condenar também ao trabalho que a granjeia, o que estaria em contradição com a lei de progresso.

Disse Jesus aos seus discipulos: "..é difícil um rico entrar no reino dos céus."
Ele disse que é difícil, mas não disse ser impossível; porque a riqueza também pode ensejar que o seu possuidor produza muita coisa útil e boa, para si e para o seu próximo, tornando-se um meio de salvação espiritual.
Tudo vai depender, portanto, do uso que fizermos da riqueza, e de como nos comportarmos diante da pobreza.
 
 
 
 

sábado, 18 de maio de 2013

“SE ALGUÉM QUER ME SEGUIR, RENUNCIE A SI MESMO, TOME SUA CRUZ A CADA DIA E ME SIGA” – disse Jesus


Ninguém poderá seguir os passos de Jesus se não renunciar a si mesmo. Aqui está um ponto em que muitas vezes nos afastamos do Cristo. Percebo que desejamos ardentemente receber os milagres de Jesus, sem que isso implique para nós a obrigação de segui-Lo.
Não nos damos conta, porém, de que o maior milagre da nossa vida será o de abdicar dos nossos próprios interesses quando estes colidem com os interesses do Cristo. Quando isso ocorrer, isto é, quando renunciarmos a tudo aquilo que não se ajuste aos planos de Jesus, estaremos num padrão de atitudes tão elevado e positivo que a felicidade, inevitavelmente, baterá à nossa porta, sem precisarmos dos milagres do Cristo. Nós mesmos seremos o grande milagre da nossa vida!
Do livro: Alguém me Tocou
De: José Carlos de Lucca

sexta-feira, 17 de maio de 2013

VIVA COMO AS FLORES - reflexão

Foto: VIVA COMO AS FLORES - reflexão

- Mestre, como faço para não me aborrecer? Algumas pessoas falam demais, outras são ignorantes. Algumas são indiferentes. Sinto ódio das que são mentirosas. Sofro com as que caluniam.

- Pois viva como as flores! - Advertiu o mestre.

- Como é viver como as flores? - perguntou o discípulo.

- Repare nestas flores. - continuou o mestre, apontando lírios que cresciam no jardim - Elas nascem no esterco, entretanto, são puras e perfumadas. Extraem do adubo malcheiroso tudo que lhes é útil e saudável, mas não permitem que o azedume da terra manche o frescor de suas pétalas.

É justo angustiar-se com as próprias culpas, mas não é sábio permitir que os vícios dos outros o importunem. Os defeitos deles são deles e não seus. Se não são seus, não há razão para aborrecimento. 

Exercite, pois, a virtude de rejeitar 
todo mal que vem de fora. 
Isso é viver como as flores.
 
- Mestre, como faço para não me aborrecer? Algumas pessoas falam demais, outras são ignorantes. Algumas são indiferentes. Sinto ódio das que são mentirosas. Sofro com as que caluniam.
 
- Pois viva como as flores! - Advertiu o mestre.
 
- Como é viver como as flores? - perguntou o discípulo.
 
- Repare nestas flores. - continuou o mestre, apontando lírios que cresciam no jardim - Elas nascem no esterco, entretanto, são puras e perfumadas. Extraem do adubo malcheiroso tudo que lhes é útil e saudável, mas não permitem que o azedume da terra manche o frescor de suas pétalas.
 
É justo angustiar-se com as próprias culpas, mas não é sábio permitir que os vícios dos outros o importunem. Os defeitos deles são deles e não seus. Se não são seus, não há razão para aborrecimento.
Exercite, pois, a virtude de rejeitar todo mal que vem de fora.
Isso é viver como as flores.
 
 
 
 

quinta-feira, 16 de maio de 2013

A FAMÍLIA CONSANGUÍNEA E A FAMÍLIA UNIVERSAL

 
O Cristo, no instante derradeiro, movimentou os olhos em direção de Maria (sua mãe) e João (filho de Zebedeu) e disse:
 
- Mãe, eis aí teu filho!
E num leve aceno, ao apóstolo, disse:
- Filho, eis aí tua mãe!

João e Maria, então, começaram a entender que Jesus resumiu naquelas duas frases finais, sua sagrada missão, que era ensinar que o amor deveria ser universal, onde todos deveriam se amar, não só no círculo familiar, mas que o amor deveria se estender a todos de igual maneira. Que deveríamos nos amar como Ele nos amou; que deveríamos fazer aos outros o que gostaríamos que os outros nos fizessem; que amassemos nossos amigos, mas também nossos inimigos; que amassemos nosso distante como amamos nosso próximo . . . Afinal, somos filhos de um só PAI, portanto, somos IRMÃOS.
 
 
 
 

quarta-feira, 15 de maio de 2013

15 DE MAIO - DIA INTERNACIONAL DA FAMÍLIA




André Luiz alerta-nos que: "O Lar é instituição essencialmente divina em que se deve viver, dentro de suas portas, com o coração e com a alma".
E Emmanuel completa, ao ser indagado sobre de que precisamos para vencer na luta doméstica: "Devemos revestir-nos de paciência, amor, compreensão, devotamento, bom ânimo e humildade, a fim de aprender e vencer, na luta doméstica".

Os deveres de cada um de nós como pais, mães, filhos e irmãos, bem cumpridos e carregados com alegria, fazem que coletivamente o Lar seja um ambiente de paz e satisfação.
Não devemos exigir dos familiares a conduta equilibrada que nos compete demonstrar, amando-os da maneira como são, sem esperar-lhes santidade.
A bondade e o sacrifício devem ser palavras que constem do dicionário de nossa convivência familiar.


"O Lar não é somente moradia dos corpos, mas, acima de tudo, a residência das almas". André Luiz - "Missionários da Luz".

No ambiente doméstico, as almas se encontram sob variados motivos (resgate, apoio, afeições, desafetos, missão, etc.) com a finalidade de estreitar os laços que as unem, pois neste ambiente de convivência contínua, interdependência, na condição de pais, filhos, irmãos aprendem a conjugar o verbo AMAR.

segunda-feira, 13 de maio de 2013

LIBERTAÇÃO DOS ESCRAVOS - visão espírita

 
A Preparação da Abolição da Escravatura começou no Plano Espiritual

 
Isabel Cristina Leopoldina Augusta Miguela Gabriela Rafaela Gonzaga de Bragança e Bourbon (Princesa Isabel) veio ao mundo com a sua tarefa no trabalho abençoado da Abolição da Escravatura. Mas todo o andamento do processo já vinha sido delineado pelas falanges de Ismael, que procuravam dirigir os movimentos republicanos e abolicionistas com alta serenidade e muita prudência, com o propósito de evitar conflitos.
O momento de iniciar o cumprimento do que estava estabelecido no plano espiritual, partiu do próprio Mestre Jesus, segundo Humberto de Campos, no livro "Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho", psicografado por Francisco Cândido Xavier:
 
- Ismael, o sonho da liberdade de todos os cativos deverá concretizar-se agora, sem perda de tempo. Prepararás todos os corações, a fim de que as nuvens sanguinolentas não manchem o solo abençoado da região do Cruzeiro. Todos os emissários celestes deverão conjugar esforços nesse propósito e, em breve, teremos a emancipação de todos os que sofrem os duros trabalhos do cativeiro na terra bendita do Brasil. Disse o Mestre Jesus.
 
Com a concordância de Jesus, Ismael começou a articular o que viria ser o fim da escravidão no Brasil. Sob a influência dos mentores invisíveis da pátria, D. Pedro II foi afastado do trono nos primeiros anos de 1888. Com isso a Princesa Isabel, que já havia sancionado a Lei do Ventre Livre em 1871 - lei que garantia a liberdade aos filhos dos escravos - assumia a Regência. Sob a inspiração de Jesus, Isabel escolhe o Senador João Alfredo para organizar o novo ministério, que seria formado por notáveis espíritos ali encarnados. Em 13 de maio de 1888, os abolicionistas apresentam à regente a proposta de lei que Isabel, cercada de entidades angelicais e misericordiosas, sancionou sem hesitar.
O Livro "Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho", Humberto de Campos, através das mãos límpidas de Chico Xavier, relata a comemoração do Plano Espiritual naquela noite de domingo.
- Nesse dia inesquecível, toda uma onda de claridades compassivas descia dos céus sobre as vastidões do norte e sul da Pátria do Evangelho. Ao Rio de Janeiro afluem multidões de seres invisíveis, que se associam às grandiosas solenidades da abolição. Junto ao espírito magnânimo da princesa, permanecia Ismael com a bênção da sua generosa e tocante alegria. Enquanto se entoavam hosanas de amor no Grupo Ismael e a Princesa Imperial sentia, na sua grande alma, as comoções mais ternas e mais doces, os pobres e os sofredores, recebendo a generosa dádiva do céu, iam reunir-se, nas asas cariciosas do sono, aos seus companheiros da imensidade, levando às alturas o preito do seu reconhecimento a Jesus que, com a sua misericórdia infinita, lhes outorgara a carta de alforria, incorporando-se, para sempre, ao organismo social da pátria generosa dos seus sublimes ensinamentos.


 
OBSERVAÇÃO: Aprendemos com Jesus que o amor ao próximo equivale a amar a Deus. Isso significa que é absolutamente impossível reverenciar ao Criador discriminando suas criaturas.
E a luz da reencarnação toda discriminação é preparação para nos transferirmos para o lado discriminado. Como disse Allan Kardec: “Se quisermos que os homens vivam como irmãos na Terra, não basta dar-lhes lições de moral, é preciso destruir a causa do antagonismo existente e atacar a origem do mal: o orgulho e o egoísmo.” Porque todo racismo e preconceito nasce do orgulho. Quando nos achamos mais e melhores que o nosso próximo, nós o discriminamos. Nós queremos os direitos somente para nós. Mas, “Deus não nos distingue pelos corpos. E que todos os homens são iguais na balança Divina e só as virtudes nos distinguem aos olhos de Deus. Todos os espíritos são de uma mesma essência, e todos os corpos são modelados com igual massa. Nossos títulos, nossos nomes, cor de pele, etc., em nada nos modificam; ficam no túmulo(...)"

“O TÚMULO É O PONTO DE REUNIÃO DE TODOS OS HOMENS. AÍ TERMINAM INELUTAVELMENTE TODAS AS DISTINÇÕES HUMANAS.”
 
 
 RUDYMARA




 
 

sexta-feira, 10 de maio de 2013

O QUE DEUS ESPERA DE NÓS?


O que nós esperamos de Deus?
O que Deus espera de nós?
A maioria de nós quer de Deus, apenas coisas materiais. São muitos pedidos de cura de enfermidades do corpo, de emprego, de conquistas e desejos. Mas, e Ele, o que está pedindo para nós? Nós fazemos as vontades Dele ou da religião? Pois, Deus nos pede a reforma íntima, a cura da enfermidade da alma, que só alcançaremos através da vivencia de Seus ensinamentos trazidos por Jesus. A religião pede rituais, dogmas, amuletos, rezas, promessas, etc. Quem estamos servindo? Deus ou a religião? Pensemos nisso!
"Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus".....Mateus 7:21

 
 
Rudymara
 
 
 

terça-feira, 7 de maio de 2013

MORAR JUNTOS É CASAMENTO?

Tem casal que vai morar junto para julgarem se é conveniente ou não o casamento imposto pela religião e pela lei. Mas, desde que se proponham morar juntos já estão casados perante a lei divina. Por pensarem assim, vemos muitas pessoas trocando de parceiros(as) como quem troca de roupa. Pois, pensam não ter um vinculo de responsabilidade, para eles é apenas um teste. 
Na época de Moisés era normal o homem casar-se com várias mulheres assim como era normal livrar-se dela quando bem desejasse. As mulheres não passavam de escravas do marido, objetos de seus caprichos. Talvez sejam estes espíritos que estejam entre nós achando que podem ter várias mulheres. Daí o grande número de infidelidade. Só mudaremos isso quando ajustarmos nossas atitudes aos ensinamentos de Jesus.

Então, morar juntos não é contra a lei de Deus?
Não. Muitos se casam no civíl, no templo religioso, mas a conduta de um para com o outro foge dos preceitos cristãos. Contra a lei de Deus é o desrespeito, a infidelidade, a violência de um contra o outro, etc.   



Compilação de Rudymara  

 
 
 
 
 

domingo, 5 de maio de 2013

NO QUE O ESPIRITISMO ACREDITA E NÃO ACREDITA

Uma pessoa nos mandou este quadro abaixo pedindo para explicar cada item segundo a visão espírita. Vamos lá:

 
 
1 - Não acreditamos mesmo. Pois, foi o próprio Jesus que deixou claro que Ele não era Deus. Exemplo: "Pai, NAS TUAS MÃOS ENTREGO O MEU ESPÍRITO" - (Lc 23:46). Mesmo após a sua morte e ressurgimento espiritual, Jesus continua a demonstrar, com suas palavras, que permanece a dualidade e desigualdade entre Ele e Deus: "Subo para MEU PAI e vosso Pai, para MEU DEUS e vosso DEUS." - (Jo 20:17) 
 
2- Nós não acreditamos que “tudo” que esteja na Bíblia seja a palavra de Deus. Porque o Antigo Testamento há uma PARTE HUMANA e uma PARTE DIVINA.
A PARTE HUMANA expressa as ideias que os hebreus faziam quanto à origem do Universo, a criação da Terra e dos seres que a habitam e contém leis civis e disciplinares escritas por Moisés e outros dirigentes hebreus.  PARTE DIVINA são os 10 mandamentos.
Tanto que, muitas leis de Moisés dizem para: “... apedrejar até a morte”, caso não sejam seguidas. E uma das leis contidas nos 10 mandamentos diz: “ não matarás”. Então, se todas as leis fossem de Moisés, este seria contraditório. Da parte humana da Bíblia, muita coisa ficou ultrapassada pelo progresso do conhecimento humano e mudança dos costumes sociais. Exemplo: O homem que se deitar com outro homem (homossexualismo) será punido até a morte (Levítico, 20: 13);   Deficientes físicos estão proibidos de aproximar-se do altar do culto, para não profaná-lo com seu defeito (Levítico, 21: 17-23); Os adúlteros serão apedrejados até a morte (Deuteronômio, 22: 22);  Quem trabalha no sábado será morto (Êxodo, 35:2); Os filhos desobedientes e rebeldes, que não ouçam pais e se comprometam no vício, serão apedrejados até a morte (Deuteronômio, 21: 18-21), dentre outros. Como vemos, não são só os espíritas que não seguem o antigo testamento. Cremos que ninguém segue tais leis.
Observemos o que Jesus disse:  "Vocês ouviram o que foi dito (por Moisés no passado): 'Ame o seu próximo e odeie o seu inimigo.' Mas eu (Jesus) lhes digo: "Amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem (...)" Jesus deixou claro que seus ensinamentos, que são os mesmos de Deus, são diferentes dos de Moisés.
 
3-  Se o Cristo tivesse levado o pecado do mundo o mundo não estaria cheio de pecadores e pecados. Para nós espíritas Jesus não morreu para nos salvar; Jesus viveu para nos mostrar o caminho da salvação. Para nos libertarmos dos “pecados”, ou seja, dos nossos erros, das nossas falhas morais, devemos estar dispostos a contribuir, utilizando os ensinamentos Dele como nosso guia. É cômodo pensar que estamos “salvos”, assim continuaremos a pecar, errar e transgredir as leis de Deus e, consequentemente, a plantar dores e aflições.
 
4- Nós acreditamos na reencarnação e não na ressurreição. Reencarnação é uma palavra criada por Allan Kardec que significa a volta do espírito “NA” carne, “NUMA NOVA CARNE”. E ressurreição significa “RESSURGIR”. Muitos entendem a ressurreição como o ressurgimento do espírito na carne, mas “NA MESMA CARNE”, ou seja, no mesmo corpo que morreu. Mas, como pode um espírito ressuscitar (ressurgir), por exemplo, num corpo carbonizado, ou que foi comido pelos peixes, etc.? Então, reencarnação  significa o retorno do espírito em um novo corpo carnal; e ressurreição significa o retorno do espírito no mesmo corpo carnal, o que cientificamente é impossível.
 
5- Os sete sacramentos católico são 1- batismo, 2- confissão, 3- eucaristia, 4- confirmação (ou crisma), 5- matrimônio, 6- ordens sagradas, 7- unção dos enfermos.  Nós não batizamos porque o Espiritismo não adota ritual. João mergulhava as criaturas nas águas do Jordão, num ato simbólico de batismo, para anunciar a vinda do Cristo e convidar o povo a se arrepender dos seus pecados e, se propor a uma renovação moral. Portanto, para os espíritas, o batismo, foi tão somente um divisor de águas, o marco de uma vida nova. Há muitos batizados cometendo delitos, e há muitos que não são batizados que vivem de maneira cristã. Acreditamos que seremos julgados pelos nossos atos e não por sermos ou não batizados. É o que fica evidente, em passagens como estas: “Arrependei-vos, fazei penitência, porque é chegado o reino dos céus”; “Eu na verdade, vos batizo com água para vos trazer à penitência; mas aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu; cujas alparcas não sou digno de levar; ele vos batizará com o Espírito Santo e com o fogo”. Aqui, João deixa claro que, Jesus batizaria as pessoas não mais com água, mas com o Espírito Santo e com o Fogo. Confissão, eucaristia, crisma, ordens, são criações do catolicismo, não está mencionado no Evangelho. O Espiritismo não tem sacerdotes, não há hierarquia, há distribuição de funções que pode ser trocado de tempo em tempo. Matrimônio espírita é só no civil, a cerimônia no templo também não está no Evangelho. É só um ritual. Quem abençoa nosso casamento somos nós mesmos utilizando nele os ensinamentos de respeito, fidelidade, amor, tolerância, etc., ensinadas pelo Cristo. E unção dos enfermos é um ato que também não está no Evangelho. É o ato de ouvir o desabafo de um enfermo, levar-lhe uma boa palavra, estimular sua fé, e dar-lhe o perdão de Deus. Nós espíritas ouvimos, damos passe, tentamos passar boa palavra e estimulamos sua fé, sua resignação porque é um ato de caridade, mas não achamos que temos o poder de perdoar os pecados da pessoa. Acreditamos que ela terá que resgatar suas faltas. É muito fácil errarmos a vida toda e no final dela nos arrependermos e recebermos o perdão. Assim, muitas pessoas viverão a vida de maneira promiscua, ilegal, imoral, desrespeitosa com a sua vida e a do próximo porque acreditam que no final da vida poderão ser perdoadas. 
 
6 - Antigamente, havia coisas consideradas como maravilhoso ou sobrenatural. Algumas nem eram fatos reais, mas apenas crendices ou superstições sem fundamento. Outras eram fenômenos verdadeiros (fatos naturais) e foram consideradas milagres por estarem mal explicadas ou serem desconhecidas as suas causas.
O círculo do maravilhoso ou do sobrenatural vem diminuindo ao longo dos tempos, pelo progresso do conhecimento humano, através:
da Ciência, que revela as leis que regem os fenômenos do campo material;
do Espiritismo, que revela e demonstra a existência dos espíritos e como agem sobre os fluidos, explicando certos fenômenos como efeitos dessa causa espiritual.
As curas realizadas por Jesus, por exemplo, foram consideradas pelo povo como milagres, no sentido que a palavra tinha na época: o de coisa admirável, prodígio.
Atualmente, o Espiritismo esclarece que os fenômenos de curas se dão pela ação fluídica, transmissão de energias, intervenção no perispírito, e permite examinar e compreender as curas realizadas por médiuns (espíritas ou não) ou por pessoas dotadas de excelente magnetismo. Essa explicação não diminui nem invalida as curas admiráveis, feitas por Jesus; pelo contrário, leva-nos a reconhecer que Jesus tinha alto grau de sabedoria e ação, para poder acionar assim as leis divinas e produzir tais fenômenos.
 
7 - Segundo a doutrina da Igreja os demônios foram criados bons e tornaram-se maus por sua desobediência: são anjos colocados primitivamente por Deus no ápice da escala, tendo dela decaído. Segundo o Espiritismo os demônios são Espíritos imperfeitos, suscetíveis de regeneração e que, um dia serão espíritos elevados (anjos). Os que por má-vontade persistem em ficar, por mais tempo, nas classes inferiores, sofrem as conseqüências dessa atitude, o hábito do mal dificulta-lhes a regeneração. Um dia, a fadiga dessa vida penosa e das suas respectivas conseqüências os farão mudar; eles comparam a sua situação à dos bons Espíritos e compreendem que o seu interesse está no bem. Deus fornece-lhes constantemente os meios, porém, com a faculdade de aceitá-los ou recusá-los. Se o progresso fosse obrigatório não haveria mérito, e Deus quer que todos tenhamos o mérito de nossas obras. Ninguém é colocado em primeiro lugar por privilégio; mas o primeiro lugar a todos é franqueado à custa do esforço próprio.
Os anjos mais elevados conquistaram a sua graduação, passando, como os demais, pela rota comum.

 

Compilação de Rudymara




 

quinta-feira, 2 de maio de 2013

AJUDA-TE QUE O CÉU TE AJUDARÁ

 

Muitas pessoas vêm à minha procura pedindo ajuda espiritual depois de já terem passado por dezenas de médiuns, padres, curandeiros e igrejas das mais variadas. Elas gostariam que eu resolvesse seus problemas sem que elas tenham que fazer algo por si mesmas. Elas me pedem oração, mas não oram pela resolução de suas dificuldades. Pedem-me conselhos espirituais, mas não querem se dar ao trabalho de abrir a página de um livro para compreenderem o motivo pelo qual estão sofrendo e o que é preciso ser feito para extinguir o mal que entrou em suas vidas.

"NEM JESUS CRISTO, QUANDO VEIO À TERRA, SE PROPÔS RESOLVER O PROBLEMA PARTICULAR DE ALGUÉM. ELE SE LIMITOU A NOS ENSINAR O CAMINHO, QUE NECESSITAMOS PALMILHAR POR NÓS MESMOS." - Chico Xavier

Isso não significa que não possamos receber o auxílio espiritual, mas a condição para que isso aconteça é que primeiramente o homem faça algo por si mesmo, faça aquilo que está ao seu alcance para que Deus faça a parte que o homem, por si só, não é capaz de fazer. O homem começa e Deus termina. Como disse Jesus: "PEDI, E VOS SERÁ CONCEDIDO; BUSCAI E ENCONTRAREIS; BATEI E A PORTA SERÁ ABERTA PARA VÓS."


José Carlos de Lucca